#68 As bruxas de Bremen.

Nós interrompemos nosso recesso de fim de ano para trazer pra vocês um episódio especial. Hoje nós pedimos licença a vocês, nossos queridos ouvintes e nossas queridas ouvintes, para fazer um episódio que é mais pra gente mesmo. E para prestar homenagem a uma pessoa muito especial, mas que infelizmente não está mais entre nós.
Nossa querida amiga Maria da Graça, nossa Gal, antes nos deixar em 2016 ela escreveu uma história de formação de um grupo que até hoje se mantém como uma espécie de família substituta para nós.
É uma história de migração, recomeço, continuidade e amizade. Essa história é muito importante para nós e esperamos que ela sirva para inspirar vocês.

Com vocês um pouco de nossa história de migração e das Bruxas de Bremen.

Você pode ouvir a gente em qualquer plataforma digital, escolhe uma e segue a gente:

Feliz Natal!

O Continuidade Podcast entra também no espirito natalino e gostaria de desejar uma celebração de muita amorosidade com o próximo e de muitos abraços virtuais. Que os desafios enfrentados até agora possam nos fortalecer para entrarmos em 2021 com toda garra e coragem para viver as alegrias que estão por vir.

A gente vai também se recolher nas próximas semanas, para voltar em 2021 com toda energia para preparar episódios surpreendentes!

Nos vemos em 2021!

#67 Balanço 2020

Hoje é dia de Balanço do Contiuidade 2020! O segundo ano do nosso podcast não está sendo nada fácil. Produzir conteúdo ao mesmo tempo que administramos nossas carreiras e famílias tem sido um grande desafio. Nesse episódio, juntamos as mulheres que fazem o Continuidade acontecer para falarem sobre esse ano doido que vivemos. Tá bem divertido, vem escutar!

Você pode ouvir a gente em qualquer plataforma digital, escolhe uma e segue a gente:

Canções de Migração: Na Volta Que o Mundo Dá

A canção Na Volta Que o Mundo Dá, que conhecemos na voz da cantora Vânia Abreu, parece ter sido feita para o Continuidade. A letra é linda e faz quase que um resumo das fases da migração, das quais a gente tanto falou nos primeiros episódios do nosso podcast.

A música retrata uma migração voluntária e começa falando daquele sentimento que, muitas vezes, não sabemos muito bem de onde vem. É aquele “chamado”, uma vontade de experimentar viver em outro lugar.

Um dia eu senti um desejo profundo

De me aventurar nesse mundo

Pra ver onde o mundo vai dar

Ao chegar no destino, é comum vivermos uma euforia deliciosa com as novas experiências. O novo pode ser bastante sedutor e a sensação de realizar um sonho é mesmo muito gostosa.

Pisei muito porto de língua estrangeira

Amei muita moça solteira

Fiz muita cantiga por lá

Varei cordilheira, geleira e deserto

O mundo pra mim ficou perto

E a terra parou de rodar

Passada a euforia inicial, vêm as dificuldades. É quando a realidade bate na porta e, muitas vezes, traz consigo a vontade de voltar para o que nos é familiar. Nesta fase, sempre alertamos sobre a importância de ter atenção aos nossos sentimentos e de buscar ajuda, se necessário. Mesmo que a tristeza seja algo normal e parte da vida, lembre-se que você não precisa enfrentar o mundo sozinha(o).

Com o tempo

Foi dando uma coisa em meu peito

Um aperto difícil da gente explicar

Saudade, não sei bem de quê

Tristeza, não sei bem por que

Vontade até sem querer de chorar

O luto na migração, como já vimos, pode vir de muitas formas. A dor de se sentir não pertencente a lugar nenhum pode ser uma delas. A gente fica meio perdido porque ainda não se sente em casa no país de acolhida, mas também percebe que já não se encaixa no lugar de onde viemos.

Angústia de não se entender

Um tédio que a gente nem crê

Anseio de tudo esquecer e voltar

Com o tempo (e com ajuda!) a gente espera que essas dores melhorem e que a gente possa, finalmente, chamar de lar o lugar onde escolhemos viver. Mesmo que esse lugar seja o mundo inteiro.

Agora aprendi por que o mundo dá volta

Quanto mais a gente se solta

Mais fica no mesmo lugar

Na Volta que o Mundo dá é uma canção de autoria de Vicente Barreto e Paulo César Pinheiro e, em 1988, foi gravada pela cantora Mônica Salmaso no seu disco Trampolim. A versão de Vânia Abreu foi gravada em 1999 e faz parte do disco Seio da Bahia.

Aperta o play pra ouvir Vânia Abreu cantando Na Volta Que o Mundo Dá!

#66 A Africa no Brasil

Você já parou pra pensar o quanto de África existe no Brasil? No episódio de hoje nós falamos sobre as influências africanas no Brasil. Vai ser um episódio para a gente olhar para a nossa herança africana com leveza, respeito e admiração. Vamos lá? Coloca o fone de ouvido e aperta o play.

TeD Talk de Chimamanda Ngozi Adichie: O Perigo da história única
https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt

Tambor de Criola do Maranhão:

Um pouco de Maculelê pra quem não conhece:

Frevo de Pernambuco:

Maracatu:

As indicações do episódio
Mini Reportagem do Jornal da Gazeta sobre Africanos em São Paulo. Não leia os comentários!!!

Listinha bacana de pensadores e intelectuais negros
https://www.estudarfora.org.br/intelectuais-negros/

Escritores africanos para decolonizar nossas leituras
https://blog.estantevirtual.com.br/2016/03/16/10-autores-africanos-que-voce-precisa-conhecer/

Podcast Negro da Semana de Alê Garcia:

Podcast Preta Cast de Noéle Gomes

Você pode ouvir a gente em qualquer plataforma digital, escolhe uma e segue a gente:

10 perguntas para reavaliar seu ano e seguir em frente

Escrevi esse texto no início de 2019, quando nem sonhava com as reviravoltas e os desafios que 2020 traria! E ele segue tão atual que resolvi compartilhá-lo por aqui também. Espero que essas dicas sejam úteis para o seu ano novo. Boa leitura!

Mais um ano vem aí e promete ser conturbado. Todo ano faço questão de fazer meus rituais para alimentar em mim mesma a motivação de encarar os novos 365 dias como um ciclo cheio de oportunidades de crescimento. Ao longo dos anos, desenvolvi (tanto sozinha como com um grupo de amigas) uma série de exercícios para o final e início de ano que me ajudam a me manter focada durante o ano inteiro. Este ano resolvi primeiro fazer um balanço do que passou para melhor conseguir seguir em frente. Já vinha pensando nisso há um tempinho, quando um podcast me ofereceu uma ferramenta espetacular para realizar essa reflexão.

Imagem: Pixabay

O podcast Happy, Holy and Confident, que, apesar do nome em inglês, é em alemão, trata de temas relacionados à espiritualidade, equilíbrio emocional e desenvolvimento pessoal. Sua criadora, a coach Laura Malina Seiler, conta que uma amiga lhe ensinou este ritual que ela sempre realiza no dia de seu aniversário. Ele consiste em 10 perguntas que o membro mais velho da família faz ao aniversariante, que, por sua vez, tenta responder da forma mais sincera possível.

Eu achei a ideia fantástica, por isso fiz umas pequenas adaptações e agora acho que ele pode ser aplicado ao início de qualquer novo ciclo para relembrar e refletir sobre o que passou e determinar novos objetivos. Sendo assim, aqui estão 10 perguntas que podem nos ajudar a fazer uma avaliação pessoal de nosso 2020 e nos ajudar a ter clareza de para onde devemos dirigir nossa atenção em 2021. Eu sugiro que você pegue papel e caneta e anote suas respostas. Assim sempre poderá voltar a elas quando sentir que está perdendo o foco à medida que o ano for avançando.

Imagem: Pixabay

10 Perguntas para avaliar 2020 e achar sua direção para 2021

1. Quais foram minhas constatações mais importantes no ano que passou?
2. Pelo que eu posso agradecer?
3. Do que eu posso me orgulhar? 
4. Quais foram minhas decisões mais importantes?
5. Como foi meu relacionamento comigo e com as pessoas?
6. O que eu faria diferente se pudesse?
7. O que eu desejo para o novo ano?
8. Para o que eu quero contribuir este ano?
9. Para que eu gostaria de ter mais tempo?
10. O que eu gostaria de aprender?

Respire fundo e reserve tempo para responder com calma. Se for difícil, responda uma pergunta por dia para que você não se sinta sobrecarregada ou sobrecarregado com tanta reflexão de uma só vez. Se, com o passar do tempo, você se lembrar de mais coisas que não lhe ocorreram no início, não faz mal, simplesmente adicione o que lembrou à sua resposta. Você não precisa mostrar isso a ninguém já que se trata de um guia pessoal para começar o ano com o foco em seu próprio desenvolvimento. Encare suas respostas como um diálogo íntimo com você mesma ou com você mesmo e divirta-se com isso. 

Eu adoro rituais de fim de ano e de ano novo. Vocês tem algum? Como é? Me contem aí?

Pra quem entende alemão, aqui vai o podcast de Laura Malina Seiler. É uma injeção de ânimo e inspiração: https://lauraseiler.com/

*Por Cris Oliveira

*Este texto foi revisado por Marina Hatty e adaptado para 2020/2021 por Lali Souza.

*Imagem de destaque:  Free-Photos por Pixabay

#65 Entrevista do mês: Daniele Stivanin

No episódio de hoje nós entrevistamos um pessoa que está no início de sua vida de imigrante. Nós queríamos com isso relembrar a vida de imigração na sua fase inicial. A nossa entrevistada Daniele Stivanin tem uma voz suave e uma fala super sensível. Esperamos que vocês se sintam acolhidas/os com nossas reflexões.

Clica o play para escutar e depois vem contar pra gente o que achou da entrevista.

Você pode ouvir a gente em qualquer plataforma digital, escolhe uma e segue a gente:

Pessoas Migrantes: Antoni Porowski

Antoni Porowski é um dos protagonistas da série-reality da Netflix Queer Eye. Essa série vai fazer você sorrir e se emocionar com os cinco hilários e queridíssimos Karamo, Bobby, Johnathan, Tan e Antoni. Os cinco têm a missão de passar uma semana acompanhando uma pessoa (previamente indicada por algum/a amigo/a, familiar ou outra pessoa próxima) e ajudando-a em um processo de transformação.

Durante esse tempo, os Fab Five, como eles mesmo se identificam, ajudam a pessoa indicada a entrar num processo de autoconhecimento, lhe dão um banho de loja, fazem uma mudança no visual com corte de cabelo e os escambáu, reformam sua casa e lhe dão dicas de como se alimentar melhor e preparar um jantar bacana para a pessoa que o/a indicou. É nessa parte que Antoni Porowski, nossa pessoa migrante da vez, mostra seu talento.

Antoni, o especialista em culinária e vinhos da série, tem pais migrantes, assim como ele também é. Sua mãe polonesa e seu pai belga migraram para o Canadá antes de seu nascimento. Com isso, ele acabou sendo o primeiro da sua família a nascer e crescer fora da Europa. Nascido no Canadá em 1984, ele cresceu falando inglês, francês e polonês em casa. Essas habilidades linguísticas, que hoje em dia geralmente seriam vistas com admiração, foram motivo para estranhamento na escola quando ele se mudou com a família para os Estados Unidos. Isso foi o que ele descobriu quando estava no sétimo ano na escola e sua família resolveu migrar da cosmopolita cidade de Montreal, no Canadá, para uma cidade pequena da conservadora West-Virginia, nos Estados Unidos.

Antoni Porowski / Imagem: Instagram

Antoni conta que suas habilidades linguísticas eram vistas com estranheza pelos colegas de escola e até pela professora, que sempre perguntava porque que ele não podia simplesmente falar apenas inglês como os demais adolescentes. Essa não era a única diferença que seus colegas de escola não toleravam. Eles também faziam muitas piadas xenofóbicas e basicamente não tinham tolerância para as diferenças culturais que eles detectavam nos comportamentos e hábitos de Antoni. Até os lanches que ele levava para a escola eram motivo de piadas e comentários preconceituosos. Em uma entrevista, ele contou que a imagem que as pessoas daquele estado e naquela época tinham sobre imigrantes era realmente muito limitada. Para eles, ser imigrante significava automaticamente ser um refugiado fugindo de calamidades, guerras ou pobreza. Era como se não houvesse outra possibilidade.

Essa falta de compreensão e o sentimento de não pertencimento causados por ser constantemente excluído por causa de sua origem fez com que Antoni vivesse uma grande crise com sua identidade cultural. Por muito tempo ele desejou ter um nome diferente, mais americano, como Porter ou Portman. Quando ele estava começando a se aventurar na carreira de ator, chegou a considerar seriamente trocar de nome. Ele revela que fazer parte dos Fab Five do programa Queer Eye também o ajudou a se sentir mais tranquilo com sua identidade cultural. Hoje em dia, ser um homem com um sobrenome polonês, com sexualidade fluída e em um relacionamento homossexual, faz com que ele receba milhares de mensagens de jovens gays poloneses agradecendo pela visibilidade que o status de celebridade dele ajuda a dar à causa na Polônia, país onde a homossexualidade ainda é um enorme tabu.

Hoje em dia, Antoni celebra a mistura de culturas que compõem a sua identidade e sempre as mostra e tematiza com muito orgulho em entrevistas e episódios de Queer Eye.

*Por Cris Oliveira

Imagem de destaque: Paul Brissman / The Times

Fonte: https://www.thelist.com/134951/the-untold-truth-of-antoni-porowski/

#64 Consciência Negra e Saúde Mental

O mês de novembro no Brasil é dedicado à reflexões sobre a situação de pessoas negras e afro-descendentes no Brasil. No dia 20 de Novembro, e celebrado o Dia da Consciência Negra no Brasil. Essa data é super importante porque no Brasil, infelizmente o racismo ainda é uma realidade que afeta a vida de milhões de brasileiros e brasileiras. O racismo e as desigualdades acabam influenciando muito negativamente a saúde mental das pessoas negras no Brasil. No episódio de hoje nós resolvemos falar sobre isso. Clica o play para escutar essa conversa com a gente e depois vem conversar conosco através de nossas redes. 

Clica no link pra nos encontrar por toda parte.

https://linktr.ee/continuidadepodcast

Indicações do Episódio:
Psicólogo Lucas Veiga: @lucasveiga e @institutoafroamparoesaúde

Canal Muro Pequeno do Baiano Murilo Araújo

Você pode ouvir a gente em qualquer plataforma digital, escolhe uma e segue a gente:

Referência da trilha utilizada:
Fast Talkin de Kevin MacLeod é licenciada de acordo com a licença Atribuição 4.0 da Creative Commons. https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Fonte: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1100590

Artista: http://incompetech.com/

Giro Pelo Mundo: dicas imperdíveis para curtir Salvador

Salvador é uma cidade muito especial para o Continuidade. É a terra natal das nossas hosts Cris e Flora e é também de onde eu, Lali, venho. Por isso, esse giro pelo mundo está mais do que nostálgico! É com uma alegria enorme que apresentamos para vocês alguns dos nossos lugares preferidos da cidade. Simbora!

Porto da Barra

Praia do Porto da Barra / Imagem: Yuri Araujo por Pixabay

É uma das praias mais agradáveis da cidade, conhecida por um mar de água calma (como uma piscina) e quentinha. O Porto é tão bacana que dá pra chegar de manhã e passar o dia todo curtindo. O pôr do sol é um espetáculo à parte!

O Porto da Barra fica bem pertinho de um dos pontos turístico mais famosos de Salvador: o Farol da Barra. Dá pra ir andando pelo calçadão. É bem rapidinho!

Farol da Barra / Imagem: DEZALB por Pixabay

Largo de Santana – “Dinha”

O Rio Vermelho é considerado o bairro mais boêmio da cidade. Um dos pontos mais famosos é o Largo de Santana, também conhecido como “Dinha” em homenagem à baiana de acarajé que por anos montou ali o seu tabuleiro. Dinha, infelizmentente, já não está mais entre nós, mas suas filhas seguem mantendo o negócio e tradição da família. O Largo de Santana tem vários bares e é um ótimo lugar para sentar, beber uma cerveja e, é claro, saborear um dos acarajés mais famosos da Bahia.

Pelourinho

Pelourinho / Imagem: soel84 por Pixabay

O centro histórico de Salvador é considerado Patrimônio Imaterial da Humanidade e não é por acaso. O Pelourinho faz parte dele e carrega em si muita história. É um símbolo de Salvador, um lugar rico em vibração, cores, gente e cultura. Vale a pena passear pelas ruas e conhecer os artistas e artesão locais. Além do mais, o Pelourinho tem uma programação artística e musical bem agitada. Quando for a Salvador, procure saber!

Ah! E tem mais. É no Pelourinho que está a Igreja e o Convento de São Francisco. Marcada pelo estilo barroco, é uma coisa linda de ver.

Mercado Modelo

Mercado Modelo visto da Cidade Alta / Imagem: masteroblima por Pixabay

Outro cartão postal da cidade e que vale dar uma passadinha é o Mercado Modelo. É o paraíso do souvenir, então, vai com calma pra não deixar todo o seu dinheiro lá. Ele fica na Cidade Baixa e tem um montão de lojas de artesanato para você fazer a festa!

Sorvete na Cubana

Quando sair do Mercado Modelo, aproveite para subir o Elevador Lacerda e passar numa das sorveterias mais tradicionais da cidade: A Cubana. Ela fica bem na porta do elevador, já na Cidade Alta e, além de um sorvete delicioso, tem uma vista de tirar o fôlego!

Sorveteria Ribeira

Sorveteria da Ribeira / Imagem: Tripadvisor

Por falar em sorvete, pega essa dica que é muito boa! A Ribeira é um bairro que fica na Península de Itapagipe, na Cidade Baixa e é onde está outra sorveteria muito famosa da nossa cidade, fundada em 1931: a Sorteveria da Ribeira. São quase 100 opções de sabores, mas os de fruta dão um show à parte. Certeza que você não vai se arrepender de provar.

Dica de amiga: se você gosta de um doce bem doce, prove o Coco Espumante. É tipo um milkshake feito com sorvete de coco e muito, mas MUITO leite em pó. É maravilhoso!

Ilha de maré

A ilha fica na Bahia de Todos os Santos, mas pertence a Salvador. É um ótimo destino para curtir o dia nas suas praias lindíssimas.

A Bahia é linda e Salvador é uma cidade cheia de lugares incríveis. Porém, com certeza, o seu melhor cartão postal ainda é a sua gente. É clichê, mas é verdade: o soteropolitano é massa e a gente pode provar.

Sentiu falta de algum lugar incrível de Salvador nesse post? Conte pra a gente aqui nos comentários!

*Este texto é uma construção coletiva de Lali Souza, Cris Oliveira e Flora Regis Campe.

Fontes:


https://pt.wikipedia.org/wiki/Ilha_de_Mar%C3%A9

Imagem de destaque: ferreiracleber por Pixabay.