Como virei professora de alemão

Todo mundo me conhece um pouco sabe que eu sou professora professora de inglês. O que poucos sabem é que, há dois anos, eu resolvi encarar mais um novo desafio na minha vida: o de ensinar alemão como segunda língua. Desde que resolvi explorar essa nova possibilidade profissional, foram muitas novas histórias e aprendizados e eu gostaria de dividir alguns deles aqui com vocês. Mas deixa eu contar primeiro como foi que essa coisa de ensinar alemão começou pra mim.

Imagem: Pixabay

Tudo aconteceu meio de repente. A guerra no Oriente Médio e diversos problemas socioeconômicos pelo mundo afora deram impulso a mais uma gigantesca onda migratória para a Europa Central. Essa onda migratória atingiu um pico em 2015. De repente, a Alemanha se viu tendo de dar conta de receber milhares de pedidos de asilo de uma vez e, com isso, tendo de encontrar profissionais das mais diversas áreas para manter uma estrutura que atendesse a tanta gente nova chegando. A minha profissão foi a primeira que entrou em demanda rapidamente. 

Ainda hoje, estima-se que Bremen precise de mais 350 professores para suprir o número de professores necessários para dar conta da formação dessa criançada nova que está entrando no sistema escolar. Uma das matérias que precisa ser aprendida com mais urgência nas escolas é obviamente o alemão, por ser a porta de entrada para absolutamente todo o resto. Por isso praticamente todo professor virou um potencial professor de alemão como segunda língua.

Lá pro final de 2015, bem no momento em que o número de pessoas chegando aqui em busca de refúgio chegou a atingir a marca de uns 6.000 por dia, eu resolvi me candidatar a uma vaga de emprego como professora de inglês na secretaria de educação de Bremen. Até então eu trabalhava como professora freelancer dando aulas principalmente pra adultos em empresas. Fui chamada para a entrevista feliz da vida, sem nem imaginar o que aconteceria depois. 

No meio da entrevista, comecei a perceber que o entrevistador me perguntava demais sobre como foi meu próprio processo aprendendo alemão e depois queria saber se eu teria a flexibilidade, se fosse necessário, de ensinar essa língua também além do inglês. Disse que sim, porque achei que o cara tava de brincadeira, fazendo uma dessas perguntas hipotéticas de entrevista de emprego, até mesmo porque ele estava me ouvindo falar e eu não achava (e pra falar a verdade ainda não acho) que meu alemão seja assim tão maravilhoso e confiável a ponto de levar alguém a achar que dá pra ensinar. 

Vocês podem imaginar a surpresa que tive quando eles me chamaram dizendo que queriam me contratar, mas em primeira linha para ensinar alemão. Primeiro me tremi toda. Perguntei se tinha sido engano. Não era, estavam seguros e era isso mesmo. Me deram um tempo pra pensar e acho que aquela semana foi a mais demorada que já vivi na minha vida. Ia e voltava o tempo todo na decisão. 

Imagem: Pixabay

Até que chegou o dia de dar a resposta e eu ainda não sabia o que diria. Sentia um frio na barriga todas as vezes que me imaginava entrando na sala de aula, olhando para a cara daquele monte de adolescente e me apresentando como sua professora de alemão. Sentia muito medo, mas não sabia exatamente de quê. Até que chegou o dia da ligação na qual eu teria de comunicar minha decisão. 

Poucas horas antes, estava convencida a rejeitar o trabalho. Dizia para mim mesma: “Você mesma não sabe falar direito a língua, como quer se meter a ensiná-la?”; “Vai ficar muito claro que você não tem competência pra ensinar alemão. Vai se queimar feio.”; “Pra que procurar esse tipo de sarna pra se coçar? Recuse educadamente, deixe bem claro que você é professora de inglês, fale que, se aparecer outra oportunidade desse tipo, você estará às ordens.”; “Muitos alunos virão com história de traumas, muitos terão contato com escola agora pela primeira vez. Você não tem experiência para lidar com esse tipo de turma.”; “A estrutura das aulas por aqui é diferente daquelas com as quais você é acostumada”. Vai ser difícil se adaptar ao conceito pedagógico daqui.”; “São muitas novidades ao mesmo tempo. Você vai enlouquecer!” Repetia todas esses argumentos mentalmente para poder recusar com firmeza e para não deixar brechas para possíveis insistências.

Preparadíssima para a hora da verdade, fiz a ligação. Fui atendida por uma funcionária muito simpática do RH que peguntou meu nome. Quando e falei ela imediatamente puxou papo. Queria saber se eu era portuguesa ou espanhola. Disse que era brasileira, mas que falamos português no Brasil. “Ah que interessante”, disse ela, e continuou com uma certa conversinha fiada, provavelmente para quebrar o gelo. 

De repente a conversa dela pendeu pra direção do trabalho, das aulas, do que seria esperado de mim. A partir daquele ponto, ela começou a conduzir a conversa de forma bem estruturada, do jeito que alemão gosta e, antes de ir direto ao ponto, resumiu: “A senhora passou no processo seletivo e nós gostaríamos de lhe oferecer um contrato assim, assim, assim, mas como o trabalho tem esses prós e esses contras, resolvemos oferecer-lhe uma semana pra que a senhora pensasse e decidisse se realmente se imagina trabalhando conosco.” 

Enquanto ela listava os aspectos positivos e negativos do trabalho, me dei conta de que estava ouvindo aquilo tudo de uma forma diferente. Parecia que estava ouvindo a lista dos prós pela primeira vez e, de repente, minha lista de argumentos contra parecia meio fraquinha. 

No meio disso tudo, uma frase dela ficou martelando minha cabeça: “Tem todos esses desafios, no entanto é uma função super importante, porque dominar a língua vai ser o trampolim que eles precisam para poder se integrar nessa sociedade. Para muitas famílias, a senhora será o único contato com a sociedade alemã, já que muita gente vem pra cá sem ter ninguém. A senhora estará ajudando a mudar a vida de muitas pessoas.” 

Imagem: Pixabay

Enfim, chegou a hora da verdade: “E então? Agora gostaria de saber o que a senhora decidiu. Ou ainda teria alguma pergunta a que eu possa responder?”

Nem acreditei na resposta que saiu de mim, sem que eu tivesse tido tempo de titubear:

-“Sim. Quando começo?”

*Por Cris Oliveira

*Revisado por Marina Hatty

Este texto foi originalmente publicado no blog A Saltimbanca, em 29 de novembro de 2018.

Imagem de destaque: Pixabay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *