Canções de Migração: Encontros e Despedidas

A migração é uma estrada de muitas vias. Quando nos debruçamos sobre o tema, nos deparamos com questões que vão além de “quem vai”. É preciso pensar “porque vai”, “como vai”, “quando vai”. Isso tudo sem falar de quem fica.

É sobre essa pluralidade toda que envolve o processo migratório que vamos refletir hoje, usando como base uma livre interpretação da música Encontros e Despedidas, de Milton Nascimento e Fernando Brant.

“Tem gente que vem e quer voltar

Tem gente que vai, quer ficar

Tem gente que veio só olhar

Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir”

Quando migramos, deixamos muito para trás, mas também vamos ao encontro do que é novo. O mesmo ato de ir é também o de chegar. A despedida depende do ponto de vista, porque, como diz a própria música:

“São só dois lados

Da mesma viagem

O trem que chega

É o mesmo trem

Da partida”

A música é o retrato de uma estação e dos diferentes olhares inseridos nesse contexto de chegadas e partidas: “tem gente que vem e quer voltar. Tem gente que vai e quer ficar. Tem gente que veio só olhar. Tem gente a sorrir e a chorar”. São as tantas motivações que nos levam a ir e a voltar, seja de forma voluntária ou não.

A migração faz parte do ser humano, é inerente à nossa história. Somos seres migrantes e é por isso que Encontros e Despedidas traça, por fim, um paralelo entre a estação e a própria vida.

“A hora do encontro

É também, despedida

A plataforma dessa estação

É a vida desse meu lugar

É a vida desse meu lugar

É a vida”

Encontros e Despedidas deu nome ao disco de Milton Nascimento lançado em 1985 e foi mais um grande sucesso da carreira do artista. Mais tarde, em 2003, a cantora Maria Rita gravou a sua interpretação, que virou tema de abertura da novela Senhora do Destino, da Rede Globo.

E tem mais: Encontros e Despedidas ganhou uma versão sueca! Em 2014, o cantor Johan Christher Schütz, gravou uma versão da canção, intitulada “Möten och avsked”.

Agora vem a parte mais legal…ouvir essa música tão linda!

*Por Lali Souza                                         

Imagem de Destaque: Milton Nascimento e Fernando Brant em 1980,  por Arquivo Estado de Minas Gerais.

Fontes:
Wikipedia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Encontros_e_Despedidas
Catraca Livre – https://catracalivre.com.br/agenda/maria-rita-live-show-online/
Estado de Minas Gerais – https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/06/13/interna_gerais,657792/letras-de-brant-encontraram-na-voz-de-milton-nascimento-o-casamento-pe.shtml

Canções de Migração: Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos

A música nos inspira e nos faz viajar pelo tempo. Músicas especiais despertam emoções e são capazes de nos fazer reviver lugares e momentos guardados na memória. No “Canções de Migração” de hoje, vamos falar de uma belíssima composição de Roberto Carlos e Erasmo Carlos que traz muita história junto com ela: Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos.

Essa canção foi composta em 1971, quando o Brasil enfrentava a Ditadura Militar. A música é uma homenagem ao cantor e compositor Caetano Veloso, que foi exilado do país e emigrou para Londres, na Inglaterra.

Caetano e Roberto Carlos. Imagem: Divulgação.

Na canção, Roberto e Erasmo fazem uma projeção do que seria o retorno de Caetano à sua terra natal e, com emoção, descrevem o momento em que o artista pisaria novamente nas areias das praias brasileiras.

“Um dia a areia branca

Seus pés irão tocar

E vai molhar seus cabelos

A água azul do mar”

A música toca, principalmente, por se tratar de uma migração involuntária, já que Caetano deixou o Brasil como exilado, vítima de uma perseguição política que colocava sua vida em risco. A música não apenas fala da alegria de Caetano ao chegar, mas também da felicidade com que a sua terra o receberia, retratando uma saudade recíproca, como se o Brasil também sentisse a sua falta.

“Janelas e portas vão se abrir

Pra ver você chegar

E ao se sentir em casa

Sorrindo vai chorar”

Caetano é retratado na canção através de uma característica marcante de sua juventude: os cabelos cacheados. Apesar de reconhecer que a migração traz aprendizados e muitas histórias também felizes, a música trata claramente de um processo de luto migratório, fruto da migração involuntária, e da vontade constante de voltar para casa.

“Você olha tudo e nada

Lhe faz ficar contente

Você só deseja agora

Voltar pra sua gente

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos

Uma história pra contar

De um mundo tão distante

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos

Um soluço e a vontade

De ficar mais um instante”

Anos mais tarde, em 1992, o próprio Caetano Veloso gravou a música “Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos” no disco do show Circuladô Vivo. É emocionante ouvi-la na voz de Caetano. Sugiro pegar um lencinho antes de apertar o play!

*Por Lali Souza

Fontes:
Centro América FM
Wikipedia
Nova Brasil FM
Discos do Brasil

Canções de Migração – La Vuelta (Los Cucas)

Certas canções nos marcam, nos emocionam e traduzem nossos sentimentos em forma de poesia. É mágico quando, em fases complexas de nossas vidas, encontramos uma música com a qual nos identificamos. A migração é uma dessas fases complexas e, por isso, não fica fora dessa lógica. Aposto que, se você pensar direitinho, vai encontrar alguma canção que marcou quando você estava no seu processo de mudança para uma nova vida em algum lugar distante.

“La Vuelta” é uma canção da banda espanhola Los Cucas e nos relembra algumas fases da migração. Muitos migrantes nutrem grandes expectativas em relação ao país de acolhida. Se, por um lado, ter esperança de uma vida melhor é fundamental para ter a motivação de se aventurar longe de casa, por outro lado, expectativas muito altas podem gerar uma série de decepções quando a gente se confronta com a realidade.

“Un nuevo lugar cubierto de hielo
Apaga de golpe el calor que me pude llevar
Si por trabajar hay gente que lo deja todo
A las víctimas de la nostalgia les voy a contar”


As decepções, a saudade e as dificuldades enfrentadas no país de acolhida acabam levando muitos de nós a desistir de continuar vivendo longe de casa. Com isso, muitos migrantes começam a tecer planos de voltar ao país de origem, nem que isto só possa acontecer nas últimas estações da vida.

“Una carretera que apunta directa hacia el sur
Allí el sol duerme y empieza la luz
De donde vengo y donde nací estas tú”

Essa canção expressa esse sentimento de forma muito poética, ao mesmo tempo que faz querer levantar para dançar. Mas cuidado! Ela tem um potencial de grudar na sua mente e fazer você cantarolar por dias.

Clica aí para escutar!

La vuelta (The Way) de Los Cucas

Quizas costó mas los primeros meses
Después las llamadas las cartas y la soledad
Mentí al decir que me iba tan ilusionado
Que con un billete sin vuelta me fui a embarcar

Un nuevo lugar cubierto de hielo
Apaga de golpe el calor que me pude llevar
Si por trabajar hay gente que lo deja todo
A las víctimas de la nostalgia les voy a contar

Una carretera que apunta directa hacia el sur
Allí el sol duerme y empieza la luz
De donde vengo y donde nací estas tú
No me importa nada todo lo que pude perder
Poquito a poco lo recuperaré
Hay viento en las velas, y un puerto que espera por
Mi, por miiiiiiiiiiiiiii

Fantasmas del mal acechan mi mente y me dicen
Mejor los recuerdos que ruinas de lo que ya fue
Tuve que explicar que ese era mi destino
Pero hay un camino de vuelta que me llevará

Una carretera que apunta…